Vestibular: bloqueio desleal

“A educação, direito de todos e dever do Estado (…)”, assegura a Constituição de 1988 (Cap. III; Art. 205), no entanto, galgar este “direito” a nível superior de ensino nunca foi uma tarefa simples, principalmente para as camadas de menor poder aquisitivo.

Imagem

                  Para usufruir de este almejado DEVER impõe-se mais uma barreira –o vestibular. O qual seleciona, por critérios questionáveis, indivíduos mais aptos, porém, desconsiderando a carreira mínima de 11 anos de formação do candidato em detrimento de um único dia, o da aplicação do exame.

                  Esta forma de seleção demonstra em números sua ineficiência, tendo em vista que no ano de 2013 uma vaga para a carreira médica foi disputada por 200 candidatos (apenas na UNESP) enquanto que no mesmo ano o país viu-se obrigado a importar estes profissionais de Cuba. O aparente paradoxo é, na realidade, a prova do objetivo deste mecanismo. O qual, ao contrário do que se pensa, é bloquear o acesso à universidade e não viabiliza-lo.

                  Com o objetivo de mitigar este bloqueio desleal entrou em vigor em 2012 a chamada “Lei de cotas”, a qual reserva 50% das matrículas para estudantes oriundos da rede pública de ensino, além de levar em consideração o percentual mínimo correspondente à soma de pretos, pardos e indígenas no Estado de acordo com o último censo realizado pelo IBGE, atualmente de 51,1% dos brasileiros (sendo: 7,6% pretos; 43,1% pardos e 0,4% indígenas).

                  Mais uma prova da diferença entre o discurso e da atuação. Qualquer um que tenha estado em alguma universidade pública, desde a execução da lei, notou que estas etnias não representavam nem de longe a metade de seu corpo discente.

                  A caminhada até a inspiradora lei é árdua, extensa e é indispensável incluir ao roteiro a ampliação do corpo docente que se autodeclare destas camadas historicamente marginalizadas. Entretanto, a mera existência de uma legislação é de louvável parecer, tendo em vista o caráter segregacional das universidades desde sua fundação no Brasil, em 1808.

Leticia Ferreira (Avante)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s